Navegação: Home Enfermagem

Enfermagem

Orientações para uso de Insulina

Orientações para quem faz uso de insulina .

 

Conhecer um pouco mais sobre insulina e tirar vantagens desse conhecimento, colocando-o em prática no seu dia-a-dia, contribui para sua auto-suficiência e qualidade de vida.
A insulina é um hormônio que promove a entrada de glicose nas células, só pode ser administrada por injeção, porque se administrada oralmente é destruída no estômago, porém ela é difícil de ser regulada. O pâncreas normal sente o aumento de glicose depois de uma refeição e, imediatamente, ajusta o suprimento de insulina. A insulina injetada, porém é absorvida pelo sangue independente das quantidades de glicose presentes. Os diabéticos devem aprender como ajustar as refeições e as administrações de insulina, para evitar muita glicose no sangue (hiperglicemia) e pouca glicose no sangue (hipoglicemia).
E importante para quem faz uso de insulina utiliza-la de forma correta, a seguir temos algumas informações importantes no uso desse medicamento:

A concentração das insulinas no mercado brasileiro é U-100, ou seja, 1 ml=100 unidades de insulina. Comercialmente, elas se apresentam em frasco de 10ml (contendo 1000 unidades) para utilização em seringas  e, em refil de 3ml (contendo 300 unidades), para  serem utilizadas em canetas.

- O frasco fechados de insulina, deve ficar armazenado em geladeira, entre 2º a 8ºC, fora da embalagem térmica ou de isopor (usada no transporte), nunca deve ser congelado porque perde suas propriedades de tratamento caso isso ocorra devera ser desprezado, não deve ser armazenado na porta da geladeira onde, ocorre maior variação na temperatura.
O melhor local da geladeira para armazenar a insulina é o mais longe possível do congelador ou das placas de resfriamento, pode ser armazenada na gaveta dos legumes ou na primeira prateleira mais próxima desta.

- A insulina que estiver em uso não necessita ficar em geladeira, procure um lugar fresco, limpo e que não pegue sol diretamente para armazená-la. Ela pode ser mantida em temperatura ambiente, entre 15º e 30ºC, também poderá ser mantido na geladeira (2 a 8 graus) neste caso o frasco deverá ser retirado da geladeira de 10 a 20 minutos, antes da aplicação, para garantir um melhor conforto reduzindo irritação no local. Insulina gelada causa dor aos pacientes.
- Uma vez aberto o frasco de insulina, ele deverá ser utilizado no período de 30 dias, mantido sob refrigeração ou não, por isso para seu controle, marque a data de abertura no frasco.
- Evite transportar o frasco de insulina quando a temperatura ambiente estiver acima de 40ºC e use sempre uma caixa de isopor ou bolsa térmica. Se o transporte for de longa distância e a temperatura estiver acima de 40ºC além da embalagem térmica, utilize gelo reciclável separado do frasco de insulina por isolante para evitar seu congelamento. Nunca utiliza gelo seco.
- Em Viagens leve sempre sua insulina na bagagem de mão. Nunca deixar em porta-luvas, painel, bagageiro de carro ou ônibus.
- Recomenda-se que o paciente inspecione o frasco antes de cada aplicação para verificar mudanças físicas (precipitação ou mudança na clareza ou cor). Exame visual deve mostrar que as insulinas rápidas e de curta duração, e a Glargina, são claras e transparentes, e os outros tipos, uniformemente turvos (cor de água de arroz).
- Sempre que for utilizar gire o frasco de insulina leitosa (NPH) com movimentos suaves das mãos, sem agitar, pois o excesso de agitação também torna a substância inútil. Ela não deve espumar. A insulina transparente (Regular e Glargina) não necessita de homogeneização prévia.
- Para a aplicação de insulina devem ser utilizadas seringas e canetas próprias para aplicação, ou seja, possuir escala numérica em unidades.

- As canetas injetoras são mais um instrumento que auxilia o paciente em suas aplicações diárias de insulina, principalmente quando faz uso de múltiplas doses diárias. Encontram-se, no mercado brasileiro, canetas descartáveis e reutilizáveis.
O formato da caneta, assim como dos refis, varia. Dessa forma, cada refil de insulina deverá ser usado somente em sua respectiva caneta. Atualmente, dispomos de refis  em quase todas as formulações e em volume de 3ml, equivalentes a 300 UI de insulina.
Todas possuem um visor onde a dose de insulina prescrita será selecionada através da rotação de um botão em incrementos de 0,5 ou 1 unidade.
A mistura de insulina para minimizar as “picadas”, não é possível com este instrumento. Assim, o paciente que optar por este método deverá ser orientado a ter duas canetas distintas para cada tipo de insulina prescrita. Canetas de insulina não devem ser guardadas na geladeira, pois será danificada. O refil aberto deverá permanecer na caneta e também terá a validade por 30 dias, somente o refil que não estiver em uso deverá permanecer na geladeira. As agulhas devem ser desconectadas imediatamente das canetas após aplicação (evitar obstrução e contaminação).

- O comprimento da agulha e um fator importante na aplicação de insulina, recentes estudos têm demonstrado que a espessura da pele no local da injeção em adultos com diabetes varia minimamente por características demográficas, incluindo IMC (por exemplo: pessoas obesas têm dimensões semelhantes as da pele de uma pessoa com peso normal ou baixo peso). Outro estudo sobre a espessura da epiderme indicou que a espessura máxima total é de aproximadamente 2,4 mm, independente do sexo, IMC, idade adulta ou origem étnica. Essas novas recomendações reforçam a necessidade da técnica correta de aplicação de insulinas e necessidade de revisão periódica da mesma no processo educacional, na tentativa de se alcançar bom controle glicêmico.

Recomendações  do comprimento da agulha para crianças e adolescentes:
• Canetas: agulhas de 4, 5 ou 6 mm.
• Seringas: agulhas de 8 mm (angulação de 45 o e prega cutânea).
 
Adultos (incluindo obesos)
• Canetas: 4, 5 e 6 mm
Agulha de 4 mm: ângulo de 90 o, prega dispensável se não for magro.
Agulha de 5 mm: ângulo de 90 o, prega dispensável se não for magro.
Agulha de 6 mm: ângulo de 90 o graus e prega cutânea necessária ou ângulo de 45o.
• Seringas: 8 mm (ângulo de 90 o graus e prega cutânea, Se magro: ângulo de 45 o e prega cutânea)
 
 Gestantes
• Sempre fazer a prega cutânea em qualquer local de aplicação
 • Evitar o uso do abdômen como local de aplicação no ultimo trimestre de gestação
 • Em pacientes magras é recomendada a utilização das nádegas como região para aplicação de insulina.
 • Canetas: 5 mm (ângulo de 45o)
 • Seringa: 8 mm (ângulo de 45o) – evitar o abdômen.

 - Agulha Removível para aplicação de insulina (não fixa no corpo da seringa), esta possui em sua ponta um “espaço morto”, podendo reter até 5UI de insulina, que não é computada na escala numérica nem administrada ao paciente. Porém, a cada aplicação, ocorre desperdício destas unidades. Esta seringa não pode ser utilizada, caso a prescrição seja de mistura de dois tipos de insulina na mesma seringa, pois ocorrerá erro na dosagem. De acordo com a técnica de mistura, ocorrerá uma superdosagem da insulina R ou UR (aproximadamente 5 UI) e, conseqüentemente, 5 UI a menos de insulina NPH. Neste caso, a opção é realizar duas aplicações.

- Agulha Fixa  no corpo da seringa tem apresentação com capacidade diferenciada, isto é, 30 unidades, 50 unidades e 100 unidades para prescrição de até 30, 50 e 100 unidades por aplicação, respectivamente . Lembrando que, nas duas primeiras, a graduação da escala é de 1 em 1 unidade e que, na última, é de 2 em 2 unidades.
Neste caso se for prescrito e possível fazer a mistura de duas insulina na mesma seringa,  a insulina  glargina não deve ser misturada ou diluída com qualquer outra insulina, pois existe risco de alterar o perfil de tempo/ação ou causar a sua precipitação.

- A introdução de ar nos frascos durante o preparo da dose, na quantidade correspondente à dose de insulina a ser retirada do frasco, é imprescindível para evitar a formação de vácuo. A formação de vácuo dentro dos frascos dificulta a retirada correta da dose, impede o aproveitamento total da insulina contida no frasco e, no caso de misturas, provoca a aspiração da insulina Rápida ou Ultra-Rápida já contida na seringa, para dentro do frasco de NPH (motivo esse de descarte do frasco inteiro).

- Para misturar duas insulinas na mesma seringa, é necessário introduzir ar nos dois frascos, na quantidade correspondente à dose de insulina a ser retirada daquele frasco. Feito isso, retirar em primeiro lugar a insulina límpida e incolor (Rápida ou Ultra-Rápida) e em seguida aspirar a NPH, até a marca correspondente à soma das duas doses de insulina. Se houver erro, toda a dose preparada deve ser descartada.

- Se observar presença de bolhas de ar na seringa, bata levemente na lateral da seringa para que elas sejam eliminadas. Utilizando canetas veja a orientação do fabricante. Para prevenir não deixe a agulha acoplada na caneta entre uma aplicação e outra. A presença de bolha ocasiona diminuição na dose, pois onde existe ar não tem insulina.
- O rodízio nos locais de aplicação é necessário para a prevenção de lipodistrofia. É recomendável distanciar em aproximadamente dois centímetros a cada aplicação, variando nas regiões. A velocidade de absorção é maior no abdômen, seguido de braços, coxas e nádegas. Por isto, deve dá prioridade para administrar as insulinas Rápida e a Ultra-Rápida no abdômen e braço, e a NPH, Lenta e a Ultra-Lenta nas coxas e nádegas.
- As injeções de insulina devem ser feitas no tecido subcutâneo, que se situa abaixo da derme. Deve-se seguir as orientações se será necessário a realização da prega cutânea antecedendo a punção conforme a agulha utilizada, a mesma  não deve ser mantida durante a aplicação.
- O procedimento de aspiração, para verificar o retorno de sangue, não é necessário.
- Após a aplicação de insulinas com canetas, contar lentamente até 10 para retirada da agulha, para garantir que a dose preparada foi totalmente aplicada.  Para doses maiores, pode ser necessário contar até 20 segundos, a fim de evitar perda de medicação.
- Após aplicação retire a agulha suavemente. Não faça massagem para não acelerar a absorção da insulina, poderá ocorrer hipoglicemia. Em caso de sangramentos, não pressione o local limpe com  algodão levemente sem massagear.
- Não é aconselhável realizar a aplicação de insulina logo após a prática esportiva, pois o fluxo sanguíneo está aumentado, o que aumenta a velocidade de absorção.
- O Ministério da Saúde considera possível a reutilização das seringas pela mesma pessoa até oito aplicações em ambiente doméstico. Em caso de hospitais, unidades e postos de saúde exija sempre uso único de seringas e agulhas.
-Seringas e agulhas descartáveis de insulina quando reutilizadas em nível doméstico, deve seguir alguns cuidados como a higiene das mãos e a proteção da agulha com sua capa própria, em casa, as seringas e agulhas podem ser guardadas em local limpo á temperatura ambiente. Na reutilização da agulha, não é necessária a limpeza com álcool, pois este retira a camada de silicone da agulha, o que torna a aplicação mais dolorosa.
- Os pacientes que reutilizam as seringas e agulhas devem ter as regiões de aplicação criteriosamente observadas quanto à presença de rubor, calor e edema, sob a supervisão do profissional. É necessário enfatizar que com a reutilização o risco de infecção é real, especialmente em pessoas desnutridas, na vigência de doenças e quando existe precariedade das condições higiênicas da pele.

- O descarte da seringa e agulha não deve ser feito no lixo normal, pois pode machucar quem recolhe e manipula o lixo. Arrume uma garrafa plástica usada (a melhor é a de água sanitária) e vá descartando ali suas agulhas e seringas. Quando a garrafa estiver cheia, tampe-a e leve ao posto de saúde mais próximo de sua casa para que eles possam descartar no local apropriado.
- As aplicações de insulina não devem ser interrompidas em períodos de enfermidade, procurar sempre  orientação médica.

 

Bibliografia:
American Diabetes Association. Insulin administration. Diabetes Care, 2004, 27: s106-107,. Supplement 1.
CAFFREY, Rose Marie; SELEY, Jane Jeffrie. How to to take your best shot. 2004. Disponível em :< http://www.diabeteshealth.com/read/2004/11/01/4128.html> Acesso em : 10 dez.2010.

DIABETES FORECAST: Resource Guide. Insulin delivery. 2007. Disponível em :
<http://www.diabetes.org/diabetes_forecast/RG07/RG07insulindelivery.pdf.> Acesso em: 03 dez.2010.
Diabetes sem mistério: conforto e segurança na aplicação de insulina. Centro BD de Educação em Diabetes, s./d.
Ferreira, SRG. Análise crítica do uso de canetas injetoras de insulina ,Aventis Pharma, 2001. Frid A, Hirsch L, Gaspar R, Hicks D, Kreugel G, Liersch J, Letondeur C, Sauvanet JP, Tubiana-Rufi N, Strauss K; Scientific Advisory Board for the Third Injection Technique Workshop.
Grossi SAA. Tratamento insulinoterápico da pessoa com diabetes mellitus. In: Duarte YAO, Diogo MJD. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo, Atheneu, 2000. cap.24.2, p.336-47.
Frid A, Hirsch L, Gaspar R, Hicks D, Kreugel G, Liersch J, Letondeur C, Sauvanet JP, Tubiana-Rufi N, Strauss K; Scientific Advisory Board for the Third Injection Technique Workshop.
New injection recommendations for patients with diabetes. Diabetes Metab. 2010; 36 Suppl 2:S3-18. Review.
JUSBRASIL O Ministério da Saúde,2010 .Disponivel em: http://www.jusbrasil.com.br/noticias/2607233/sms-esclarece-duvidas-sobre-reutilizacao-de-seringas-descartaveis-em-pacientes-diabeticos Acesso em: 05 dez.2010

OLIVEIRA, Marcia Camargo. Escolha a seringa e a agulha BD Ultra-Fine adequadas ao seu tratamento com insulina. BD Bom Dia, São Paulo, n.76, p.8-9, Dez.2006.


Andréa Boffo
Enfermeira voluntária ADIABC, Educadora em Diabetes.

 

Atendimento

R. Almeida Garret, 51
Vl. Guiomar - Santo André - SP

Tel.: (11) 4992-5303
Celular: (11) 7844-3567
Nextel: 55*107*7230

Conecte-se

Acesse as redes sociais das quais fazemos parte.